O deserto pessoal

Muitos homens da Bíblia tiveram que ir ao deserto: Moisés ficou lá quarenta anos. Paulo também sentiu o seu calor e a sua solidão e foi lá onde pôde reconstruir sua teologia. Malcom X, o famoso nacionalista negro dos anos setenta, encontrou em uma cela de penitenciária o lugar que o fez um dos fenômenos intelectuais de sua geração, através do que leu e escreveu nesse deserto pessoal.

Nós nos redescobrimos no deserto. A existência passa a ser percebida com um verdadeiro sentido de ser. É nessa situação que podemos estabelecer um propósito para vida. No deserto, Cristo teve avivada a consciência de ser Ele o Filho de Deus. Isso implicava em assumir o motivo de Sua encarnação, o Seu único propósito: a salvação de milhões de seres humanos – a cruz.

Quando estamos no deserto, Deus nos revela que as tentações são um exercício necessário para a maturidade emocional e espiritual. É falsa a ideia popular de que "a esperança é a última que morre. Para quem entende o significado espiritual dos desertos a que estamos sujeitos a esperança jamais se extingue. Por isso mesmo tal pessoa jamais estará totalmente livre dos desertos. Eles fazem parte do processo de conquista da esperança:

“a tribulação produz a perseverança, e a perseverança a experiência, e a experiência a esperança; e a esperança não desaponta, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” – Romanos 5:3-5

No deserto nos firmamos no chamado de Deus. Quando estamos no deserto a força das circunstâncias, condições e o estabelecimento de prioridades significativas para nossa vida espiritual nos leva a renovarmos nossa vida. Assim, o deserto que a princípio seria um lugar de exaustão e queda passa a ser um ambiente onde o verdadeiro sentido da vida é valorizado. Dessa forma, reconhecemos nossa identidade como filhos de Deus.

Pastor Ismael Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *